Você sabe o que é Open Banking? Aprenda aqui e agora!

A saúde financeira é preocupação constante dos brasileiros e para que esse tema seja um aliado e não um grande vilão da sua rotina, é importante conhecer sobre tendências, possibilidades e estar por dentro do que acontece no mundo financeiro.

Uma dessas mudanças é o open banking, que está chegando para mudar a maneira com que as pessoas lidam com o dinheiro em suas rotinas. Você sabe o que é isso? Reunimos informações importantes sobre ele, fique por dentro agora mesmo!

O que é Open Banking?

Com potencial e objetivo de facilitar operações e tornar mais prática a relação entre bancos e pessoas, o Open Banking consiste na ideia de que os bancos compartilhem dados de clientes com empresas ou aplicativos de forma segura e em tempo real, através de suas tecnologias e respectivos sistemas.

open banking

O princípio fundamental do Open Banking é o consentimento do usuário, ou seja, as empresas deverão compartilhar informações de um cliente caso ele solicite e autorize tal transmissão.

Ainda parece confuso? Diferente do Internet Banking, o Open Banking não se trata de um aplicativo, nem produto. Através dele, os clientes podem pedir o compartilhamento de dados, se assim quiserem, por meio de aplicativos já existentes de suas instituições.

No Brasil, está previsto o compartilhamento de dados cadastrais usados para abrir uma conta em banco, tais como:

  • Dados pessoais (nome, CPF/CNPJ, telefone, endereço etc.);

  • Dados transacionais (informações sobre renda, faturamento no caso de empresas, perfil de consumo, capacidade de compra, conta corrente, entre outros);

  • Dados sobre produtos e serviços que o cliente usa (informações sobre empréstimos pessoais, financiamentos, entre outros).

Para que você entenda melhor sobre esse conceito, imagine a situação: os clientes contam com histórico de crédito construído ao longo dos anos, vindos de contas pagas, salários depositados, prestações, empréstimos, perfil de gastos, entre outros, certo?

Com o Open Banking, o cliente consegue pegar todas essas informações e levá-las para onde quiser, sem ter que começar um relacionamento do zero com uma nova instituição.

Ou seja, essa é uma mudança que facilita a migração dos clientes para instituição ou simplesmente facilita novas compras de produtos financeiros. Dessa forma, elimina-se a grande burocracia dos bancos e torna as experiências dos usuários cada vez mais completas e eficazes.

Quais as vantagens do Open Banking?

Esse sistema já existe em diversos países e cada um deles conta com seus modelos e formas de implementação. Porém, várias são suas vantagens já percebidas com essa tecnologia, como:

  • Mais liberdade e autonomia para os clientes: como dissemos, burocracia interna das instituições é uma barreira enorme na hora de tentar mudar de banco. Mais do que isso, quanto maior o tempo de relacionamento com uma instituição, mais informações ela tem a respeito do cliente. Com o Open Banking, o cliente não fica preso a esse sistema.

  • Melhora a gestão do dinheiro: se um cliente tem contas em dois bancos diferentes, por exemplo, é preciso olhar para elas separadamente. Com o Open Banking, é possível que o cliente veja todas as informações ao mesmo tempo, facilitando o gerenciamento do dinheiro.

  • Estimula a competição: o Open Banking reduz a barreira de entrada para novos serviços e produtos, criando um ambiente mais competitivo e com mais opções para o consumidor.

Como vai funcionar o Open Banking no Brasil?

O Open Banking ainda não está 100% em funcionamento no Brasil e seu cronograma está dividido em 4 etapas, de acordo com o Banco Central.

Fase 1: A primeira fase teve início no primeiro dia de fevereiro. Nela, foram abertos os dados das instituições participantes, seus canais de atendimento e os produtos e serviços que oferecem. Essa fase ainda não envolve o compartilhamento de dados de clientes.

Fase 2: Na segunda fase, prevista para o dia 15/07, o cliente poderá compartilhar seus dados pessoais de cadastro e dados de transações relativas aos produtos e serviços relacionados à conta. Tudo isso acontece somente com a autorização da pessoa.

Fase 3: Na terceira fase, com início em 30/08, vai ser possível iniciar um pagamento fora do ambiente do banco. Os clientes poderão compartilhar o histórico de informações financeiras e terão acesso a serviços por aplicativos, por exemplo.

Fase 4: Na última fase, que terá início em 15/12, será possível o compartilhamento de outros dados de produtos e serviços como informações relacionadas a operações de câmbio, investimentos, seguros e previdência.

Você já conhecia o Open Banking? Como você acha que essa tecnologia poderá te ajudar em suas rotinas financeiras? Aproveite que você sabe mais sobre ele e fique de olho nas futuras datas e atualizações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *