Por que o Linux é mais seguro?

Gostou? Compartilhe:

Confira as respostas para alguns mitos sobre a segurança do sistema Linux.

É comum ouvir dos usuários do sistema Linux diversas questões e aspectos positivos, mas, normalmente, o mais enaltecido diz respeito a segurança do sistema operacional, o que muitos definem como infalível.

Ainda assim, essa informação não é real, o sistema Linux não é infalível, mas existem alguns fatores que contribuem muito para essa mitificação. Confira abaixo as respostas para as principais questões relacionadas a segurança do Linux:

Linux pode pegar virus?

Há um mito de que os sistemas Linux não possuem vulnerabilidade contra vírus, mas viés de confirmação. Ou seja, algo que se confirma não pela prática, estudos e testes, mas apenas pela tendência de se recordar e interpretar informações para confirmar crenças ou hipóteses iniciais.

O que ocorre, é que alguém disposto a utilizar seu tempo e conhecimento para desenvolver um vírus, pensa na otimização do seu “serviço” e para isso é focado em atingir o maior número de computadores possíveis. Por isso, os vírus são desenvolvidos para o sistema operacional mais utilizado do mercado, o Windows.

Esta “preferência” faz com que o Linux e também o Apple MacOSX, tenham pouquíssimos vírus, quando comparados com o sistema da Microsoft.

 

Outro ponto que corrobora para o viés de confirmação são as peças vulneráveis. A parte mais vulnerável de um sistema tende a ser o usuário, afinal é ele que baixa, instala, clica e tem outros comportamentos arriscados sem a preocupação do seu sistema operacional ser infectado.

 

Um usuário padrão de Linux, por conta da sua abrangência de mercado, tende a possuir mais conhecimento que um usuário comum de Windows, e, só isso, faz com que os comportamentos arriscados sejam reduzidos drasticamente, somente por entender os riscos em questão.

Linux não pode ser invadido

Outro mito recorrente diz respeito às invasões de hackers ao sistema Linux, que é tido como uma verdade, mas não é. Mais uma vez, o que ocorre é a baixa demanda para este tipo de ação mal intencionada.

 

Neste caso, o usuário também é o principal ponto de fragilidade, no entanto, a segurança do ambiente de rede também é extremamente importante para impedir invasões.

 

Um modo de garantir um ambiente seguro, é dispondo de uma certificação CISCO CCNA, também conhecido como Cisco Certified Network Associate Routing and Switching ou CCNA R&S. O certificado é uma avaliação positiva sobre as capacidades de um profissional em instalar, configurar, operar e solucionar questões diversas em redes de médio porte, que contam com aparelhos como Roteadores e Switches.

 

Caso alguém possua interesse apenas no conhecimento, sem necessariamente adquirir a certificação CISCO CCNA, existem uma série de cursos, tutoriais, vídeo-aulas e e-book sobre o tema.

 

Esses mesmos conteúdos são utilizados por quem deseja obter a certificação CISCO CCNA, como material de estudo e apoio para a avaliação final da fabricante CISCO.

 

Mas só relacionado a comparação, os sistemas de segurança do Linux são mais seguros que o Windows, ao menos é o que argumenta os fabricantes de hardware. Mas essa segurança está longe de ser infalível.

 

Deixe uma resposta

Name *
Email *
Website