Open banking, o que você tem a ver com isto?

O banco central brasileiro recentemente vem lançando propostas inovadoras, em sincronia com o avanço da economia digital. Sorte a nossa.

O nosso banco central vêm apresentando à sociedade propostas inovadoras, como o sistema de pagamento eletrônico PIX e recentemente iniciou a implantação do open banking em nossa economia. No texto de hoje vamos tentar traduzir tudo isto para você, apresentando as vantagens do sistema e tentar traçar uma linha de raciocínio em conexão com o futuro.

Primeiro quero tratar com você, querido leitor(a), quais são as dimensões do novo petróleo disponível no mercado, quais são os seus dados na economia digital, o seu comportamento de compras, a sua capacidade financeira e o seu histórico no banco, vale tudo. As empresas querem muito ter acesso aos seus dados, mas é você quem decide quem deve ter este privilégio.

Com a proposta denominada Open Banking, proposta capitaneada pelo banco central brasileiro, todas as instituições financeiras, terão que compartilhar seu perfil financeiro com outros agentes financeiros, por força de lei, supostamente esta ação poderia reduzir taxas de juros, desenhar produtos mais adequados para cada cliente e oferecer serviços financeiros personalizados.

A teoria é muito boa, mas pela característica do sistema financeiro nacional, a convergência das propostas bancárias acabam sendo muito semelhantes, pois fica sempre aquela suspeita no ar, de que os bancos fazem parte de uma mesma organização, para não escrever adjetivo mais contundente, mas vou escrever do mesmo jeito, é uma máfia, que supostamente fazem muitos acordos entre si sobre taxas e preços.

Taxas bancárias: São todas parecidas

Para quem já trocou de banco sabe que as taxas bancárias, incluindo volume de juros cobrado por um financiamento são muito semelhantes, então as potenciais iniciativas que um open banking poderia proporcionar deveria vir acompanhada de mais opções de bancos no mercado.

Open banking

Outro produto que foi lançado pelo banco central, e que não pegou, foi a capacidade de migração de empréstimos entre as instituições financeiras nacionais, onde supostamente quem contraiu um empréstimo em um banco poderia transferi-lo para outro, se as condições fossem mais favoráveis, portabilidade de crédito ficou no campo teórico, apesar de existir nenhum banco faz. Mais uma prova da estrutura de combinação de preços entre as entidades financeiras, citada no parágrafo anterior.

 

Qualquer financiamento bancário possui uma taxa de juros embutida, segundo os preceitos do open banking, estas taxas poderiam ser mais facilmente comparáveis entre diferentes agentes financeiros. Um exemplo prático, na hora de comprar um serviço de transportes de veículos, financiado em 12 vezes, o cliente poderia propor sua intenção entre diferentes agentes financeiros e obter propostas diferentes.

 

O open banking está propondo justamente este serviço, o de ser mais fácil comparar preços para aquisição de financiamentos, incluindo empréstimos, seguros e demais produtos financeiros. Em termos comparativos, para se fazer esta ação hoje seria necessário que o interessado, seja pelo menos, um cliente ativo da instituição, pagando pelo menos taxas de manutenção da sua conta bancária.

 

Hoje nenhum banco fornece nenhuma informação para quem não é cliente, situação que talvez o open banking resolva.

Open banking: Mais dados reduzirão os juros?

No comércio varejista existem algumas ações de incentivo à construção da fidelidade de clientes, onde controles rudimentares oferecem descontos se, por exemplo, efetuar compras no mesmo lugar, ganhando selos ou pontos. Assunto tratado com frequência em muitas empresas de mudanças no df, que trabalham com este tipo de proposta.

 

Estes pontos, são dados relacionados à fidelidade do cliente. A proposta do open banking seria a mesma coisa em uma versão ultra tecnológica, entendeu? Onde as empresas teoricamente com mais dados seus, poderiam medir você do ponto de vista financeiro mais rapidamente, oferecendo ofertas para ter você como cliente.

 

O sistema de marketing moderno quer saber o quanto rico você é, é a missão número um das empresas desenvolver capacidades de filtro no seu sistema de atendimento, os de maior potencial econômico são atendidos na frente e com propostas mais adequadas.

 

Se o open banking é excelente para detectar quem são os ricos, é também muito eficiente para segregar os pobres, então aquela falta de atendimento quando você liga para alguma empresa pode ser explicada pelo valor dos seus dados, você pode estar no fim da fila, ou pior, nem na fila você foi aceito. Algum robô de atendimento irá cuidar de você.

Open banking: Seus dados, valem muito

Seja em uma transportadora de veículos seja na padaria, com o sistema do open banking a proposta é de acesso aos seus dados financeiros on-line, com a sua autorização.

  • O Open Banking será opcional para os clientes, ou seja, mediante consentimento;
  • A adesão ao sistema será feita exclusivamente nos canais digitais das instituições participantes;
  • Você poderá revogar a autorização quando quiser;
  • Seus dados continuarão protegidos pela Lei de Sigilo Bancário e Lei de Proteção de Dados;
  • Nunca iremos te ligar ou enviar mensagem solicitando informações para habilitar o Open Banking.

 

Ronaldo Luis Gonçalves

Pai, Marido, Escritor, Engenheiro de Software, Empreendedor Digital atuando no mercado de marketing, é também redator de diversos sites na internet.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *